Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Remate Digital

Futebol Entrevistado - Rui Miguel | Parte 2 - " Procuro a estabilidade que não tive nos últimos anos."


Depois da primeira parte da entrevista, que Rui Miguel concedeu ao Remate Digital, pode agora ler a segunda.

Depois do passado é abordado o presente. Sem clube, depois de uma passagem cheia de histórias pelaMoldávia, considera que ainda tem algo para dar ao futebol. Dá a conhecer as suas expectativas para esta temporada e fala-nos sobre a conquista europeia de Portugal.

Leia tudo:

RD: Estando sem clube, com 32 anos, e apesar dos excelentes números da temporada passada, achas que ainda tens muitos anos de futebol pela frente, sentes que a tua forma física ainda te permite estar a um bom nível?
RM: O mais importante é a parte psicológica e claro o facto de nunca ter tido nenhuma lesão grave também ajuda.
Neste momento procuro para a minha carreira um clube estável para poder recuperar os meus índices de confiança e fazer aquilo que mais gosto.
Quero voltar a ter prazer em jogar e se possível com pessoas que me dêem essa confiança para o fazer. A minha família já sofreu muito por eu estar ausente, gostava de terminar a minha carreira perto daqueles que nunca desistiriam de mim.

RD: Já tens alguma proposta em vista? O que é que nos podes dizer sobre o teu futuro?
RM: Tive a possibilidade de continuar na Moldávia em outro clube ou regressar à Roménia. Tenho proposta de outro clube no estrangeiro mas não acho que seja o melhor para mim.
Os últimos anos não foram fáceis e não quero voltar a passar pelo mesmo. Procuro a estabilidade que não tive nos últimos anos.

RD: Sendo assim, podemos presumir que irás ficar por Portugal?
RM: Não sei, sinceramente o futebol dá muitas voltas e já tive no passado a prova disso. Não nego que o meu objectivo é ficar em Portugal.

RD: No principal escalão de futebol profissional português, onde alinhou pelo Vitória e pelo Paços de Ferreira, o que acha que podem fazer esses dois históricos clubes do futebol português?
RM: Não tenho dúvidas que o Vitória desta época vai lutar pela Europa e não querendo colocar a fasquia muita alta mas com um pouco de sorte julgo que se poderá intrometer na luta pelo 3 lugar. A competência do treinador e a qualidade dos reforços levam-me acreditar que esta época o Vitória voltará a fazer grandes exibições.
Em relação ao Paços, é um clube que ao longo das épocas se vem afirmado cada vez mais, muito por mérito que mantém na sua estrutura directiva e a forma seria como trabalha e envolve os seus trabalhadores no clube. Penso que tem qualidade suficiente para lutar por um lugar europeu.

RD: Depois da "acalorada" temporada passada na disputa pelo título, quais dos três habituais candidatos poderá e estará mais preparado para conquistar o campeonato?
RM: Não tenho dúvidas que a luta será a dois: Benfica e Sporting. O Benfica porque tem uma estrutura fortíssima em redor da equipa e uma mentalidade vencedora que ganhou ao longo dos últimos anos, o que não é fácil de derrotar. O Sporting porque tem no seu treinador a grande força e sabedoria que os pode levar ao título.

RD: Recentemente Portugal venceu o Europeu de Futebol. Vibrou como todos os portugueses? Acha que sentiu este triunfo de forma mais intensa por passar grande parte do seu tempo no estrangeiro, sabendo por experiência própria pelas dificuldades que passam todos os emigrantes portugueses.
RM: Acho que a vossa pergunta já responde por mim. Sem dúvida que sendo emigrante uma pessoa valoriza mais aquilo que é nosso em Portugal.

RD: A criação das equipas B's contribuiu para o sucesso da nossa selecção? Tem sido um grande fonte de talento, continuando a formação dos atletas? Bernardo Silva, João Mário e Renato Sanches podem ser grande parte do futuro sucesso português?
RM: Sem dúvida que são um grande suporte para os mesmos clubes que apostaram nos B's . Muitos desses jogadores estariam hoje a rodar em outros clube como acontecia antigamente. Poder acompanhar esses mesmos jogadores perto da "casa mãe" e deixá-los no seu habitat contribui em grande parte para chegarem a equipa A mais bem preparados.
No caso do Bernardo, não foi o caso, não chegou a ter a oportunidade que tantos esperariam que tivesse no Benfica mas provou no estrangeiro para bem da nossa selecção toda a qualidade que já vinha demonstrando na formação do Benfica.

RD: O Bernardo é um criativo, sem duvidas, e o Rui sente-se um criativo? O 10 tão falado, tão desejado e cada vez mais difícil de encontrar.
RM: Foi sempre mais nessa posição que consegui fazer melhores épocas e onde tiraram melhor rendimento de mim. Sou um bom crítico nas minhas avaliação mas nunca fui bom a descrever as minhas qualidades. Prefiro que sejam os outros a fazê-lo.
Hoje em dia não vemos muitos jogadores como o Bernardo, não demorará muito tempo para aparecer num clube como Barcelona ou Real Madrid. Um bom criativo sabe jogar bem em qualquer posição.
Vejam o caso do Messi, ele é um 10 encostado ao corredor. Raramente vemos ele a chegar a linha de fundo e efectuar um cruzamento.

Em breve poderá ler a terceira e última parte... Fique atento!